Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Três Mãos

A três mãos se escreve, a dois olhos se lê, a um o pensamento que perdura

O retrato!

Ergeu o olhar para o lado oposto da mesa mas a cadeira, tantos anos ocupada, encontrava-se agora vazia. Cinquenta e cinco anos em conjunto! Mais de meio século. E os últimos anos haviam sido de suplício, luta permanente contra uma doença que teimava em evoluir drasticamente.

Lembrou-se da promessa entre ambos, muitos anos antes de qualquer enfermidade...

- Nunca me leves para um lar, quero morrer na minha cama   - pedira Amélia um dia.

Ernesto prometera que assim faria. E fez...

- Avô não comes?

A neta agitou-lhe a mão esquerda acordando-o. Na mão direita a colher da sopa poisada no prato enquanto os pensamentos voavam.

- Sim minha querida, desculpa estava distraído.

O avô fora sempre um exemplo para toda a família. A valentia, a corajem e a tenacidade haviam feito dele uma pessoa admirável e admirada. E a doença de Amélia viera mostrar quão forte era aquele homem.

- E agora pai, vai viver connosco? - perguntou a filha mais velha.

O velho recostou-se colocou as mãos em cima da mesa e como de uma sentença se tratasse, declarou:

- Meus filhos... A minha vida sem a vossa mãe jamais será a mesma. Por enquanto vou descansar dos anos que ela involuntariamente me brindou.

Uma lágrima correu pela ruga mais funda que Ernesto nem se preocupou em esconder. Continuou:

- Depois, se tiver saúde e alguma genica, vou visitar uns amigos que tenho longe...

- Onde meu pai?

- Não interessa. Eu sei onde eles estão e daqui a uns tempos vou lá passar um tempo.

- E vai sozinho?

- Achas que tenho medo? Mas continuando... antes de tudo isso vou deixar as coisas todas arranjadas para vocês em termos de partilhas.

- Oh pai deixe-se disso... Ainda ontem sepultámos a mãe...

- Minha filha eu sei o que faço, acredita. Não tenhas medo... Mas as coisas são para ser resolvidas quanto antes.

A neta levantou-se abraçou o avô e finalmente disse inocentemente:

- Fico contente por ires viajar. Sempre gostaste disso.

O avô acariciou os cabelos sedosos da neta e exclamou:

- Viajar é sempre bom! - e esboçou um sorriso enquanto olhava o retrato da mulher quando nova, pendurado na parede do fundo.