Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Três Mãos

A três mãos se escreve, a dois olhos se lê, a um o pensamento que perdura

400 palavras - IV

Chegou ao aeroporto um minuto depois da hora marcada. Ainda a viu ao longe, reconhecendo-a pelos longos cabelos negros. Chamou-a a plenos pulmões, recolhendo desta forma a atenção dos viajantes do aeroporto, mas ela, impávida e serena continuou a subir a rampa até desaparecer no meio de uma multidão de passageiros.

Ergueu-se da secretária e aproximou-se da frondosa janela onde a chuva batia com força, impelida por um vento que ganhava violência na bela mata de Monsanto. A auto-estrada estava repleta de viaturas paradas em ambos os sentidos.

- Algum acidente…

Vinte anos antes um outro acidente, também na auto-estrada, impedira-o de chegar a horas. E nem mesmo um taxista hábil e corajoso conseguiu fugir ao trânsito caótico.

Debruçou-se novamente sobre a secretária onde num diário escancarado, se podia ler em enormes letras:

“Empresária milionária residente na Austrália, regressa a Portugal”

A ilustrar a notícia uma enorme foto a cores. Observou uma vez mais a imagem e percebeu que Ana não havia envelhecido. As mesmas feições, o mesmo olhar e aquele sorriso…e que sorriso ela tinha!

A tarde plúmbea e invernosa pairava sobre a cidade. Abriu o correio electrónico mas a sua cabeça não estava ali. Vagueou instantaneamente para o aeroporto, onde abandonado se sentou no chão, encostou-se à mochila e enterrando a face nos braços cruzados, chorou em silêncio.

Tocou o telefone:

- Doutor Carlos!

- Sim Milene, diga!

- Está aqui uma paciente que tem urgência em ser vista pelo Doutor.

- Quem é?

- Não sei quem é. Não tem cá ficha. Que faço?

- Marque-lhe uma consulta para uma hora livre da semana que vem.

Desligou, levantou-se da secretária e foi ao casaco donde retirou a carteira. Abriu-a no local onde sabia que encontrava uma fotografia. Ele e ela, sorridentes em Barcelona junto da casa Millá. Uma recordação das primeiras férias juntos. E que férias…

Dois toques na porta e esta abriu-se de supetão:

- Carlos, desculpa entrar assim…

Ana continuava esbelta. Aqui e ali traços da idade, bem disfarçados por cargas de maquilhagem. Vestia um fato que lhe caía impecavelmente e brindara-se com alguma joalharia quiçá um tanto exagerada. Os olhos negros exibiam um misto de raiva e doçura.

Com esforço o médico tentou esconder a miríade de sentimentos que o assolavam naquele preciso instante. Por fim recompôs-se e perguntou, como se tivesse visto Ana no dia anterior:

- Agora já podes perder um minuto?

9 comentários

Comentar post