Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Três Mãos

A três mãos se escreve, a dois olhos se lê, a um o pensamento que perdura

Laura

Laura acordou. O barulho incomum na casa havia-a despertado. De pijama com ursos estampados, ainda meio ensonada, abriu a porta do quarto. O barulho tinha parado. Voltou então à cama quente e apetecível.

A menina tinha oito anos de inocência adequada à idade mas dona de uma inteligência especial. Aprendera a ler sozinha… Admirava-se muitas vezes do pai, que de livro em riste, conseguia rir e até chorar apenas com a leitura. E quando o via demonstrar alguns sentimentos perguntava-lhe:

- Pai, porque ris?

Ao que ele geralmente respondia:

- Este livro é muito engraçado. Quando souberes ler dou-to para tu leres.

Deste modo Laura, desde muito cedo, tentou iniciar-se na leitura. Abordou a aventura com livros simples que cresciam por toda a casa. Mas com a chegada do primeiro ano escolar e mais tarde de um computador com normal acesso à rede de Internet, Laura facilmente teve acesso a outros géneros de leitura.

Regressou o barulho e desta vez Laura levantou-se pronta a desvendar o mistério para tanto ruído. Abriu a porta do quarto e desta vez pode observar a mãe muito atarefada a arrumar objectos dentro de caixas.

Devagar e em silêncio, Laura aproximou-se da mãe. Esta estava de costas para a menina e nem deu pela sua chegada. Só que antes da mãe havia a porta da sala de estar. Uma sala ampla repleta de livros, loiças velhas, um rádio muito antigo, uns sofás e…

O coração de Laura quase parou. Clamou em tom choroso:

- Mãe!

A antecessora assustou-se com a voz da filha atrás de si mas respondeu com bonomia:

- Bom dia Laurinha. Dá um beijo à mãe! – e estendendo os braços aguardou o ósculo que não veio.

- Mãe onde está a árvore de Natal?

Entendendo a tristeza da filha, respondeu:

- Sabes que os dias de festa já acabaram. Primeiro foi o Natal, depois veio o Ano Novo e hoje é tempo de arrumar tudo até ao próximo Natal.

- Mas porquê?

Laura adorava aquela árvore de um metro de altura repleta de bolas, sinos, singelas figuras e muitos, muitos chocolates que ela ia comendo, um em cada dia de Dezembro. Exibia também uma enorme estrela no cimo. Depois eram as luzes de muitas cores sempre a piscar. Foi com alguma frequência que os pais a encontraram na sala a olhar fixamente para a árvore.

- Ó filha então tu querias aqui a árvore de Natal o ano todo? Depois deixava de ter graça… - tentava explicar a mãe.

- Mas o Natal não é sempre?

- Não querida… O Natal é só em Dezembro. Comemora-se o nascimento do menino Jesus.

Laura parecia pensar. A mãe aproveitou:

- O teu dia de anos também é só um dia, não é?

O pensamento de Laura já não estava ali naquele corredor entre o seu quarto e a sala. Procurava algo dentro de si mas parecia não saber bem o quê. A mãe temia quando a via com aquele olhar de vencida mas não convencida. Sabia por experiência que a filha não se dera por derrotada. Por isso foi com normalidade que ouviu a nova pergunta da filha:

- Então porque é que aquela menina disse que alguém escreveu e outro cantou “Que o Natal é quando o homem quiser”?

A resposta maternal surgiu em forma de pergunta:

- Queres voltar a montar a árvore?

4 comentários

Comentar post